Gestor estratégico 4.0: a metacompetência como diferencial competitivo

Em um cenário com mudanças constantes, profissionais do mercado de trabalho precisam ter múltiplas competências para se destacar. O mesmo ocorre na escola: um gestor estratégico 4.0 é aquele que tem metacompetência, que vai além com um olhar holístico para toda a equipe de educadores e educadoras

Antes de pensar o que é um gestor estratégico 4.0, vamos refletir:

Você já se preocupou com o número de alunos matriculados?

Você já pensou estar despreparado para enfrentar os desafios atuais ainda que tenha muitas qualificações?

Já se sentiu inseguro, com medo dos dias vindouros e com incertezas referente a inadimplência e ao seu faturamento?

Você sente medo da tecnologia e o que está por vir na área educacional? 

Não é sem motivo que o ex-executivo do Facebook, Antônio Garcia Martinez, 40 anos, largou tudo e se refugiou em uma ilha para sobreviver a um apocalipse tecnológico. Em entrevista a revista BBC Brasil (edição de agosto 2017), Martinez disse: “Dentro de 30 anos, metade da humanidade não terá trabalho. E a coisa pode ficar feia, pode haver uma revolução. É por isso que estou aqui”.

Mas será que a solução para combater a crise é fugir para uma ilha deserta? 

Calma, calma, não desanime; seja um gestor estratégico 4.0!

Fugir não é a solução; alienar-se não mudará o fato de que a crise é real; mas sentar e chorar também não vai adiantar. Há um ditado popular que diz: enquanto alguns choram, outros vendem lenços. Mas você deve se perguntar: Como concorrer com tantas escolas? Como disputar com escolas maiores? Como manter alunos com a concorrência desleal? Se você se faz essas perguntas e fica assustado ou assustada em épocas de matrículas, eu tenho uma boa notícia para você! 

Atualmente não basta ser um gestor, é preciso ser um “gestor estratégico 4.0” com qualidades humanas! A formação acadêmica sozinha pode não ser suficiente para garantir resultados extraordinários em matrículas e rematrículas. É preciso visão estratégica de negócios, empatia, criatividade e muita inovação. Você pode ser formado ou formada na universidade de Massachusetts, Stanford ou Harvard, que estão nos primeiros lugares no ranking do mundo, mas sem pensamento abdutivo, criatividade, originalidade e sem “ir além” você não motivará sua equipe a fazer com boa vontade o que precisa ser feito, ou seja, você não será um ou uma líder 4.0 metacompetente e terá dificuldades em fidelizar alunos.

É necessário “ir além” para ser um gestor estratégico 4.0 com metacompetência!

Empresas visionárias e vencedoras têm gestores ou gestoras que inovam o tempo todo, profissionais motivados pelos seus e suas líderes que trabalham ambicionando não só o salário mensal e os benefícios, mas também o crescimento e progresso organizacional e pessoal. As empresas precisam de funcionários que vistam a camisa da empresa, e só os conseguem com os gestores metacompetentes. Na escola não é diferente.

O gestor estratégico 4.0 metacompetente gerencia sua equipe levando em consideração as qualidades humanas como empatia, solidariedade, criatividade, inovações, conhecimentos e muita harmonia com seus subordinados. Ele descobre talentos, inspira, motiva, orienta, delega (e não “delarga”), bem como visa o bem estar de todos e se diferencia dos competentes!

“Metacompetência é a palavra de ordem no mercado de trabalho, pois são de diferenciais competitivos que as empresas estão em busca, pessoas capazes de transformar problemas em soluções e adversidade em oportunidade!”, define o autor Eugênio Mussak. Segundo ele, a “metacompetência é ir além da competência (o prefixo meta significa “ir além de”).

No seu livro “Metacompetência”, Mussak diz:

 “O incompetente faz menos do que dele se espera, o competente faz o que dele se espera e o metacompetente faz mais do que se espera dele. É aquele funcionário que sempre surpreende quando tem iniciativa, vai além do solicitado. O profissional competente é aquele que cumpre com suas obrigações. O profissional metacompetente é quem está além da competência, é aquele que tem a capacidade de construir, criar e inovar e tem uma personalidade agradável. O que define o profissional metacompetente são as suas qualidades técnicas, pessoais e humanas.”

Você é competente ou metacompetente? Pare e pense: Quantos educadores e educadoras da sua escola são metacompetentes ou apenas competentes? Como gestor ou gestora o que tem feito para a sua equipe alcançar a metacompetência? Tem oferecido cursos, palestras, treinamentos?

Para Eugênio Mussak, os profissionais considerados metacompetentes têm o conhecimento (saber), a atitude certa (vontade) e inúmeras habilidades (poder). Em outras palavras, eles têm as competências essenciais (adquiridas durante a sua formação) e as competências transversais (adquiridas pelo esforço próprio).

Vamos visualizar com um exemplo: Um médico, apenas com as competências essenciais, elabora diagnósticos e promove tratamentos. Já um médico com as competências essenciais e transversais, elabora diagnósticos e promove tratamentos, mas tem profundos conhecimentos de gestão, de planejamento, organização, tem alta liderança, é excelente na comunicação, nos relacionamentos, domina o universo da informática e do marketing – esse profissional, com certeza, diferencia-se do anterior e ocupa altos cargos, como a de diretor de um hospital.

Com o exposto, podemos concluir que, no geral, os profissionais têm competências essenciais para executar o seu trabalho, mas para serem profissionais com destaque e garantirem seu sucesso, atualmente necessitam das competências transversais, pois, são elas que farão a diferença na sua carreira.

Nas mais diversas profissões os profissionais possuem as competências essenciais que adquiriram nos bancos escolares, dominam os saberes técnicos da profissão em questão, mas as competências transversais – como a comunicação, a flexibilidade, a criatividade, a visão do negócio, a capacidade de tomar decisões e agir e a inovação -, são adquiridas ao longo das suas vidas dependendo da sua contínua capacitação e aprendizado.

O profissional de sucesso tem competência técnica (competência essencial) e tem qualidades humanas (competência transversal). A busca da excelência é sua meta, e por isso supera seus próprios limites pela sua vontade, elimina os inimigos internos como as crenças limitantes, a preguiça, o conformismo, o comodismo, a negligência, o cansaço, a inveja, o desânimo, o medo do novo, a arrogância, dão valor a si mesmos, ou sejam tem alta estima e possuem inteligência ético-moral.

Planejamento estratégico de crescimento: um exercício necessário para o gestor estratégico 4.0

Para você ser um gestor 4.0 metacompetente precisa realizar semestralmente o seu planejamento estratégico de crescimento, definir metas e objetivos e realizar seu plano de ação. Você sonha grande? Então, planejar será como um exercício para você! É como traçar uma rota de viagem e então perseguir seu objetivo.

O planejamento estratégico faz isso para você, ele resolve as questões problemáticas e elimina situações que tomam tempo e causam contratempo. O planejamento estratégico normalmente acerta o alvo e envia cada colaborador para sua função exata sem erros e perda de tempo. Além disso, ensina como se adaptar a cada realidade segundo o momento que a empresa estiver vivenciando. As situações mudam e a empresa também muda! Não adianta o gestor perpetuar uma metodologia de trabalho, pois os estudantes também estão em constante mutação, logo, as estratégias que serviram no passado não servem mais para o presente e futuro.

Se o mantenedor ou o gestor administrativo da escola, por exemplo, não elaborar um planejamento estratégico de crescimento, certamente ele poderá passar longos anos estagnado no mercado, por isso, o gestor precisa refletir algumas questões muito importantes como:

  • O que devo ou não devo modificar no segmentos da escola para aumentar o número de alunos?
  • Por que nós estamos aqui? Onde queremos chegar?
  • Onde estaremos em 5 ou 10 anos com a qualidade do trabalho atual?
  • Quais efeitos alcançaremos nos próximos 12 meses se inovarmos?
  • Como atingir esse objetivo em 90 dias?
  • Como cada funcionário irá colaborar com um novo plano de ação?
Plano de Inovação Educacional On-Line Geekie One

Análise estratégica: em busca de oportunidades

Após ter estas respostas bem definidas, metade do percurso já foi trilhado, e a outra metade acontecerá quando o gestor colocar em prática cada tópico. 

A análise estratégica procura pelas oportunidades para a escola e descobre possíveis ameaças da concorrência. Ela faz um minucioso trabalho de entender os seus estudantes e famílias, o mercado para criar produtos diferenciados.

As pesquisas são as armas mais eficazes da análise estratégica, pois ela é capaz de apontar quais são os aspectos de sucesso e fracasso do mercado e principalmente dos concorrentes.

Para quem não está acostumado a esta visão, todo planejamento estratégico tem a intenção de atingir objetivos e metas. Alguns acreditam que objetivos são resultados quantitativos e qualitativos, contudo os objetivos e metas têm a função de estabelecer um prazo para o cumprimento dos resultados estipulados pela organização.

Por isso, realize um diagnóstico situacional da sua escola, verifique as áreas que precisam ser melhoradas, trace um plano, defina as metas e os objetivos e realize um plano de ação. Inove, construa novos cenários! Tudo precisa ser calculado para que a sua escola atinja resultados extraordinários.

* Tania Queiroz é Personal & Professional Coaching, membro da Sociedade Brasileira de Coaching com formação e certificação internacional reconhecida pela Graduate School of Master Coaches e Institute Coaching Council (ICC). Graduada em História e Pedagogia e pós-graduada em Didática, Tecnologias Aplicadas à Educação e Psicodrama pela PUC. Consultora Associada da Acerplan – Prêmio TOP Educação 2016 e 2017, Diretora do Instituto Tânia Queiroz – Desenvolvimento Humano, Assessora Geral Pedagógica e Administrativa & Marketing de vários colégios. Escritora, palestrante, facilitadora em workshops e instrutora de treinamento em Gestão, Atendimento, Liderança e Motivação. Sua missão é garantir que os mantenedores e gestores realizem uma gestão de qualidade. Seu trabalho é focado no aperfeiçoamento das habilidades e competências socioemocionais e relacionais do ser humano, com técnicas avançadas de coaching e alfabetização emocional, PNL, para que seja possível reencantar o universo profissional e pessoal, elevando os seus níveis de satisfação, realização, harmonia, equilíbrio, empoderamento, plenitude e felicidade. É autora de várias obras pedagógicas para professores, obras para o universo infantil e adulto, pelas Editoras: Évora, Gente, Rideel, Stimma, Maranta, Ibep-Nacional, Editora Escolar, Editora Didática Paulista.

Leia o artigo anterior da Tania Queiroz:

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami