Cuidados pessoais durante a adaptação ao ensino e a aprendizagem a distância

A adaptação a um novo modelo de ensino e aprendizagem no cenário atual requer alguns cuidados pessoais e da gestão escolar para que tudo aconteça sem estresse e ansiedade. Confira algumas dicas do que você não pode esquecer neste momento e também dos cuidados para evitar ficar sobrecarregado com tantas demandas

Com o crescimento do número de casos de pessoas infectadas pelo Covid-19, mais conhecido como coronavírus, medidas foram tomadas por governantes para preservar a população, em especial, pessoas em grupos de risco. Uma das medidas adotadas em diversos estados, foi o fechamento de escolas públicas. Muitas escolas privadas também adotaram a mesma recomendação. Algumas delas optaram por adiantar as férias, outras por continuar o seu programa curricular de forma remota. Diante dessa situação, educadores e educadoras de todo o país tiveram que repensar suas práticas. No entanto, o que não podemos esquecer é que este é também um momento para dar mais atenção ao seu cuidado pessoal, físico e mental. Esses cuidados são primordiais nesse período de incertezas e cheios de ansiedade. 

Na maioria das escolas do Brasil, há um uso limitado de tecnologia como forma de suplementar as aulas presenciais expositivas, modelo de ensino ainda predominante. Com as medidas de fechamento das escolas, professores e professoras tiveram que se reinventar do dia para noite ao adotar o modelo de ensino a distância – alguns deles tiveram esse trabalho sem nenhum suporte de consultorias pedagógicas, tendo que encontrar sozinhos(as) as melhores soluções para o momento. Pode parecer impossível num primeiro momento, mas várias escolas estão mostrando excelentes resultados com esse novo formato com estudantes da pré-escola, até o Ensino Médio. 

Os cuidados da gestão escolar

Como orientador educacional e psicólogo, reforço que gestores educacionais devem pensar cuidadosamente no planejamento do conteúdo programático a serem trabalhados. Esse cenário de incertezas faz com que várias escolas revejam seus currículos e metodologia de ensino, já que desde do início deste ano, escolas de todo o país devem seguir a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Vale ressaltar que, para algumas escolas, o desafio é maior por oferecer mais de um currículo – a exemplo de escolas internacionais com currículos de outros países. 

Após o planejamento do conteúdo programático, a gestão educacional, em conjunto com seus educadores, devem listar ferramentas a serem utilizadas para transmitir o conteúdo a distância. Nessa fase do processo, a dica é não recriar a roda e sim, utilizar ferramentas que docentes e estudantes já utilizam. O Google oferece várias ferramentas fáceis e gratuitas que podem ser utilizadas para a transmissão de conteúdo como Google Hangouts Meet. Dentro do planejamento, vale ressaltar se as instruções serão ofertadas de forma síncrona ou assíncrona. Ou seja, se os educadores estarão on-line com seus estudantes ou se o conteúdo poderá ser acessado a qualquer momento. 

A preparação de educadores é o próximo passo a ser pensado. Independente da ferramenta a ser utiliza, cabe aos gestores educacionais ou coordenadores orientar e treinar seus educadores para utilizá-las. Alguns educadores, poderão necessitar de mais auxílio do que outros. Neste momento, a formação de grupos de apoio pode ser uma boa saída para auxiliar os educadores com maior dificuldade.

Em seguida, a gestão educacional deve pensar como preparar as famílias para auxiliar os(as) estudantes durante esse processo. Novamente, não há necessidade de reinventar a roda, a escola pode utilizar os mesmos meios de comunicação já utilizados. Vale ressaltar, nessa etapa, a autonomia dos estudantes a fim de completar as atividades na qual não é função dos pais e das mães. Várias escolas tiveram pouca dor de cabeça, pois já utilizam várias ferramentas digitais como extensão de aprendizagem das aulas presenciais. 

Atenção às presenças, avaliações e registros

Três quesitos que também devem ser pensados durante o período de aulas a distância são: o registro de presença escolar, o processo de avaliação e os registros dos processos avaliativos. Em conformidade com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), as escolas de Ensino Fundamental e Médio devem cumprir o mínimo de 800 horas por ano ou 200 dias letivos. O registro de presença pode ser feito após os estudantes submeterem suas atividades para avaliação no caso de aulas assíncronas ou apenas com a presença em aulas síncronas. 

As avaliações também devem seguir em conformidade com o projeto político pedagógico (PPP) da escola. Para escolas que começaram o ano letivo recentemente, continuar fazendo as avaliações diagnósticas. Já as escolas que já deram início as aulas, as avaliações somativas e formativas também acontecerem, agora, online. Por fim, o diário de classe que é onde registra-se as atividades desenvolvidas numa turma, devem continuar sendo atualizados para que os dias em que a escola esteja fechada sejam contados como dias letivos. 

Confira dicas de como adaptar seu ensino presencial para a modalidade a distância

Não se esqueça de sua saúde mental!

O cuidado pessoal com os educadores e gestores também deve ser levado em consideração durante essa fase de reestruturação. Por isso, é necessário  implementar rotinas de descanso ou descontração. Isso acontece em paralelo às responsabilidades de implementar o ensino e a aprendizagem a distância.  

Por ser um período de incertezas e grande demandas, o nível de ansiedade de alguns educadores podem elevar bastante. Vale ressaltar que a ansiedade é uma reação normal do corpo humano, ela aparece como resposta emocional a uma ameaça. No entanto, em um nível exagerado, a ansiedade causa falta de ar, taquicardia e sudorese que podem, repetidas vezes, desencadeiam transtornos. Há várias orientações de saúde que devem ser seguidas para se prevenir contra a infecção do COVID-19, mas vamos destacar aqui algumas para cuidar de sua saúde mental: 

  • Mantenha-se conectado com pessoas que ama. Chamadas de vídeos possuem um efeito mais positivo que as mensagens escritas;
  • Não se alimente com muitas informações negativas. Leia apenas informações de sites confiáveis e oficiais; 
  • Durma entre 6 e 8 horas por dia. A falta ou mesmo hábitos inadequados de sono têm um impacto negativo seja no trabalho, na escola ou até socialmente. A falta de sono pode influenciar a qualidade do aprendizado e podem causar: redução da motivação e da concentração, deficit de memória, sonolência diurna, mudanças de humor, queda na imunidade, entre outros;
  • Mantenha-se ativo, mesmo em casa, e, se for a sua escolha, exercite-se. O YouTube pode ajudá-lo com exercícios fáceis de serem feitos em casa;
  • Tente criar uma nova rotina e cumpri-la. A rotina é uma base importante para o bem-estar psicológico;
  • Fale sobre o que está acontecendo com seu grupo de apoio. Se você é brasileiro e precisa de ajuda profissional, procure um psicólogo que trabalhe com sessões online. O Conselho Federal de Psicologia, concedeu autorização especial para que os profissionais prestem serviços psicológicos on-line durante o mês de março e abril sem autorização prévia. 

A execução do autocuidado é primordial para que educadores possam falar disso com seus estudantes. Esta competência, além de ser trabalhada pela BNCC, deve começar na gestão e implementação deste novo formato de currículo e também na rotina dos educadores para que assim os estudantes sintam-se seguros em desenvolver esta habilidade. 

* Mateus Jesus é orientador educacional e psicólogo. 

Leia também:


Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami