Coronavírus: conheça os 6 sites e fontes oficiais para não cair em fake news

No cenário da saúde pública brasileira e mundial, a informação e os hábitos de higiene adequados são as melhores armas contra a proliferação do COVID-19, o novo coronavírus. Pensando nisso, separamos uma lista de 6 sites e fontes oficiais para te ajudar a se informar de maneira responsável e tomar as melhores decisões sobre o tema

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os coronavírus (CoV) são uma grande família de vírus que causam doenças que variam do resfriado comum a doenças mais graves como a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV) e a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS-CoV). 

A doença de coronavírus (COVID-19) é uma nova cepa que foi descoberta em 2019 e não foi identificada anteriormente em seres humanos. Os sinais comuns de infecção incluem sintomas respiratórios, febre, tosse, falta de ar e dificuldades respiratórias. Em casos mais graves, a infecção pode causar pneumonia, síndrome respiratória aguda grave, insuficiência renal e até morte.

Com epicentro na China, o COVID-19 já se espalhou por vários países. O primeiro caso brasileiro foi no dia 26 de fevereiro e desde então, escolas vêm acompanhando a evolução da doença e se adaptando às recomendações das Secretarias estaduais e municipais de Educação e de Saúde.

Para ajudar sua escola a acompanhar os casos e obter informações confiáveis, preparamos uma lista de sites e fontes úteis para monitorar a evolução da doença.

Organização Mundial da Saúde (em inglês)

O site oferece informações sobre o COVID-19, perguntas e respostas, relatórios da situação mundial, dicas de proteção, vídeos instrutivos, entre outras informações. Confira o site em https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019

Unesco (em inglês)

Com base nas informações oficiais da OMS, a Unesco lançou um site para monitorar a situação das escolas e sistemas educacionais em todo o mundo. De acordo com a instituição, até o dia 16 de março, mais de 776 milhões de estudantes foram impactados com mudanças nas aulas presenciais. O site ainda indica soluções para aprendizagem à distância. Você pode conferir essas informações em: https://en.unesco.org/themes/education-emergencies/coronavirus-school-closures.

Organização das Nações Unidas

A agência brasileira da ONU também preparou um site para reunir as principais notícias e artigos relacionados ao tema. Eles ainda indicam, como fonte de informação, a Folha informativa sobre o novo coronavírus (COVID-19) produzida pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), com as principais informações sobre o tema, histórico e perguntas e respostas. Confira o site da ONU em https://nacoesunidas.org/tema/coronavirus/.

Ministério da Saúde do Brasil

O site da pasta do governo traz informações sobre a transmissão, tratamento, boletins epidemiológicos, vídeos e até as principais fakenews do tema. Confira essas informações e as atualizações do Ministério da Saúde em https://coronavirus.saude.gov.br/.

Governo do Estado de São Paulo: Guia de prevenção sobre o coronavírus

Em São Paulo está concentrada a maior parte dos casos confirmados até essa segunda-feira, 16 de março. Para conscientizar a população, o Governo do Estado lançou um site específico para tratar do tema. Nele é possível conferir dicas de higiene, sintomas, transmissão, últimas notícias do tema, dúvidas frequentes e materiais de apoio como cartazes, vídeos e guias. Confira o site: https://coronavirus.saude.gov.br/.

No Rio de Janeiro, o site da Secretaria de Saúde do Estado também publica boletins de atualização da doença e outras notícias oficiais sobre o tema. Confira o site em: https://www.saude.rj.gov.br/.

Não deixe de conferir e acompanhar também o site da Secretaria de Saúde de seu estado para informações oficiais do setor público.

Hospital Albert Einstein: O que as escolas podem fazer para prevenir o contágio da doença Covid-19?

Na última semana, o Hospital Albert Einsten, de São Paulo, reuniu três médicos infectologistas – Márcio Moreira e Vivian Avelino Silva e Hélio Bacha – para sanar as principais dúvidas sobre o tema. Entre as principais recomendações dos profissionais estavam:

  • Não deixar as crianças com os avós, que são o principal grupo de risco;
  • Se atentar para os sintomas de falta de ar nas crianças;
  • Ensinar crianças sobre formas de prevenção;
  • Não usar conversas entre médicos não especialistas como fonte de informação confiável.

Assista ao vídeo:

Acompanhe o InfoGeekie para mais informações úteis e confiáveis para sua escola neste momento de crise na saúde pública.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami