Como o Geekie One ajuda nas aulas de História da Escola Projeto Vida?

O professor Edgar Correa, do Projeto Vida (São Paulo), relata suas primeiras impressões de como foi desenvolver as atividades de História com o 8º ano do Ensino Fundamental usando o Geekie One

“Vocês vão mudar de livro didático? Mas eles não vão ficar fazendo outras coisas no computador durante a aula? Mas eles não vão desaprender a escrever?”

As perguntas acima são e foram bastante comuns nos últimos meses, tanto entre nós, equipe da escola, quanto entre alunos, alunas, pais, mães e responsáveis. A adoção de um novo material de apoio didático é sempre cercada de muita desconfiança. Quando trata-se de substituir, inclusive, o suporte, adotando um sistema conectado à internet, fica ainda mais delicado.

Passados alguns meses de uso, podemos agora chegar a algumas respostas. Para explicitar algumas delas, conto-lhes alguns dos usos do Geekie One, nas primeiras semanas do ano, nas nossas sequências didáticas dos oitavos anos.

O uso como livro didático digital, mais óbvio, acontecera algumas vezes. Bons textos e imagens, boas proposições de reflexão são tônicas desse material.

Telas do Geekie One com uma das imagens usadas na atividade

Com uma quantidade bastante interessante de imagens, pudemos fazer análise de algumas delas, como disparadoras de boas discussões ou como ilustrações do tema discutido antes. Em um dos últimos assuntos propostos, partimos da discussão de uma imagem e das questões propostas pelo material para percebermos o que sabíamos sobre a escravidão, o que devíamos nos aprofundar e o que gostaríamos e precisávamos aprender.

Para além desses usos, naquela semana, os alunos e as alunas estiveram envolvidos em uma proposta de ensino híbrido por rotação em estações como forma de compreender os processos de expansão territorial do Brasil Colonial. O Chromebook foi o material fundamental, uma vez que os alunos foram convidados a pesquisar mapas sobre a expansão territorial, imagens de vaqueiros nordestinos e boiadeiros gaúchos. E, nesse mesmo trabalho, o Geekie One nos serviu de material de pesquisa. Em duas das estações, o texto servia como base da atividade. Nas outras, os alunos leram seus textos e buscaram suas imagens para poder conhecer o assunto e seguir adiante.

Naquelas semanas, o contato foi bastante intenso. Mas é só o começo. Que possamos juntos – escola, alunos, alunas e famílias – desenvolver as práticas já utilizadas e desenvolver outras, explorando seus recursos ao máximo.

Conheça a opinião de outras escolas sobre o uso do Geekie One:


Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami