12 dicas para as famílias ajudarem estudantes nas aulas a distância

As escolas tiveram que adaptar as aulas para o ensino e a aprendizagem a distância nesse período de quarentena, principal forma de conter a pandemia do coronavírus. Agora os(as) responsáveis têm a missão de dar mais apoio aos estudos de seus filho e suas filhas em casa. Como enfrentar esse desafio? Confira 12 dicas que preparamos especialmente para você.

O isolamento social para combater a Covid-19 fez com que as escolas de ensino básico no Brasil adaptassem as aulas presenciais para o modelo a distância. Isso significou grandes mudanças nos hábitos das famílias. Pais, mães e responsáveis – além dos cuidados com a casa, a saúde de todos, e o trabalho em home office –  precisam dedicar mais tempo em apoiar os estudos dos(as) estudantes. A sala de aula passou a ser dentro de casa. Equilibrar suas agendas e conciliar todas essas atividades passou a ser um grande desafio. Pensando nisso, preparamos 12 dicas que vão orientar as famílias nessa missão. Confira aqui!

1. Escolha um ambiente adequado

O ideal é ter um espaço pronto para estudar, com uma mesa ou escrivaninha, onde o(a) estudante pode usar um computador e organizar todo seu material escolar. Vale decorar o ambiente com a cara do(a) filho(a), assim ficará mais acolhedor. E precisa ter uma boa conexão de internet. Outro detalhe importante é que o lugar seja silencioso, assim facilitará a concentração nos estudos.

Não tem escrivaninha? É possível adaptar outro espaço da casa, como um cantinho da mesa de jantar. Mas cuidado para não misturar os ambientes pessoais e de lazer com os de estudo. Outra sugestão é evitar deixar por perto videogames, televisão e outros objetos que possam representar distrações.

2. Mantenha a rotina diária

A família deve manter a rotina de estudos como se não existisse a quarentena. Os hábitos do dia a dia devem continuar como sempre, como tomar café da manhã, trocar de roupa, etc. E, ao invés de sair para a escola, o(a) estudante vai para o seu ambiente de estudo em casa. Todas essas práticas cotidianas condicionam nosso cérebro a absorver diferentes momentos de nosso dia, por isso é tão importante mantê-las. Isso inclui também o horário habitual de dormir.

3. Faça um checklist das atividades escolares

Pais, mães e responsáveis podem acompanhar de pertinho o estudo de seu(sua) filho(a) por meio de um check-in da lista de atividades escolares diárias. Isso ajuda a organizar a rotina de estudos, além de estimular os (as) estudantes a planejar suas tarefas com autonomia.

Perguntas que podem ajudar a organizar a rotina são:

  • Quais conteúdos você vai estudar hoje?
  • Quais são suas metas ou objetivos de estudo?
  • Como você pretende planejar o seu horário?
  • De quais recursos você precisa agora?

Há ferramentas digitais que também podem auxiliar a família nesse quesito. O Geekie One, por exemplo, traz uma agenda com as principais entregas de atividades. Com a lista pronta, fica mais fácil priorizar as tarefas urgentes.

4. Determine prazos bem definidos

Os adultos também podem ajudar o(a) estudante a definir uma meta de tempo para realizar cada atividade. Para que dê certo a rotina de estudos, o tempo de execução dos trabalhos deve ser bem definido e cumprido. Assim não se corre o risco de cair na  procrastinação e, por consequência, as tarefas ficarem todas acumuladas.

5. Ajude nos pontos de maior dificuldade

Além de auxiliar a organizar a lista de tarefas e a cumprir prazos, é importante que a família dê suporte nos estudos, ajudando o(a) estudante nos pontos de maior dificuldade. Os adultos podem utilizar os relatórios de atividades do Geekie One para terem visibilidade do processo de aprendizagem.

6. Comunique-se bem com a escola

É importante construir um relacionamento próximo e individualizado com a escola. Para isso, a dica é manter uma boa comunicação com os professores(as) e coordenadores(as) pedagógicos(as). Há várias ferramentas digitais que podem ter essa função, desde as mais simples como a troca de e-mails até canais do Geekie One como o mural de recados disponíveis dentro da plataforma.

Leia também: Projeto Draft: CEO e cofundador da Geekie, Claudio Sassaki, fala sobre cenário da educação e trajetória do Geekie One

7. Incentive a socialização on-line

Com o isolamento social, a interação entre os estudantes ficou bastante reduzida. Por isso, a dica é estimular a criança ou o adolescente a se socializar nas mídias digitais com seus colegas de classe e amigos(as) da escola, seja pelas redes sociais, vídeochats, e-mails ou outras ferramentas. Adultos devem monitorar e estabelecer regras, como horários, tempo de duração, etc.

8. Monitore os intervalos e pausas 

Na escola há sempre pequenos intervalos entre as aulas. Em casa não deve ser diferente. O ideal é que haja pausas de cinco a dez minutos longe da tela do computador a cada hora, além de uma pausa maior para o lanche.

9. Estimule atividades físicas 

Ficar isolado não significa ficar parado. Praticar atividades físicas é fundamental para a manutenção da saúde. Além das aulas de educação física a distância, os adultos podem estimular a criança ou o adolescente a se exercitar, inclusive nos intervalos entre uma tarefa e outra, como levantar-se e fazer alongamento ou dar uma pequena caminhada pela casa. Vale também pedir ajuda para algumas tarefas domésticas.

10. Converse sobre a Covid-19

É importante que os adultos falem sobre a pandemia com as crianças e os adolescentes. Expliquem a situação, com honestidade e franqueza. Permitam que os(as) estudantes falem livremente sobre o assunto e tirem dúvidas. As crianças podem ficar com medo e confusas, por isso, o acolhimento é fundamental nessa hora. Contem histórias de pessoas que estão combatendo a doença. E finalizem a conversa de forma positiva: relembrem-os de que a família se importa com eles e de que sempre poderão conversar sobre o tema quando quiserem.

11. Foque em atitudes positivas

O momento é de incertezas, por isso, por mais difícil que seja, a família precisa evitar dividir a preocupação com os(as) filhos(as). O ideal é ajudar a lidar com as aflições, a ansiedade e toda a gama de emoções que as crianças e os adolescentes venham a enfrentar nesse período de isolamento. Mantenha a calma e gerencie o estresse. Tenha ações mais positivas. E quando o filho ou a filha fizer algo bom, elogie.

12. Aproveite o tempo livre

É importante incluir momentos de lazer na rotina. No isolamento social, a tecnologia  exerce um papel humanizador e de conexão com o outro por meio da socialização nas mídias digitais, com troca de ideias, compartilhamento de histórias e brincadeiras em família nos ambientes virtuais. Mas lembre-se de equilibrar as atividades on-line com as off-line.

Pergunte à criança ou ao adolescente o que gostaria de fazer no tempo livre. Escolher constrói autoconfiança. E façam atividades juntos, como leitura de livros, contação de histórias, brincadeiras e jogos. A interação entre pais, mães e filhos(as) é uma ótima chance de construir relacionamentos melhores.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami