Os benefícios do Geekie One na opinião de uma estudante e seu pai

A adoção de uma plataforma digital, como o Geekie One, para substituir os materiais didáticos físicos, pode até gerar dúvidas entre estudantes e familiares. No entanto, os benefícios da tecnologia se sobressaem no processo de aprendizagem quando ele é aliado às práticas pedagógicas que associam dispositivos digitais e meios físicos.

Para uma escola, a decisão de trocar os tradicionais materiais didáticos físicos por uma plataforma digital acompanhada de consultoria pedagógica pode gerar algumas preocupações. Duas delas estão relacionadas aos estudantes e seus familiares: a adaptação dos alunos e alunas vai ser fácil ou difícil? E a aceitação dos familiares, vai ser tranquila?

Assim como em sala de aula, o perfil de estudantes e familiares é heterogêneo. Embora alunos e alunas sejam, hoje, nativos digitais, as múltiplas inteligências dos discentes implicam em variadas formas de aprendizagem. Para os familiares, a proximidade com a tecnologia é um fator importante na aceitação e compreensão da importância dos recursos digitais no processo de aprendizagem aliados aos tradicionais meios físicos.

“Foi totalmente positivo”, conta o pai da estudante

Christiano Bonifazio é pai da Giovanna, uma estudante da 1ª série do Ensino Médio, do Colégio Soter. Sua filha, que começou a estudar com o Geekie One este ano, é focada nos estudos e, segundo o pai, não dá trabalho nenhum quando o assunto é a escola: “Às vezes eu preciso pedir para ela parar de estudar”, conta sorrindo.

Essa animação e orgulho se mantém quando a questão é o uso do Geekie One e outras tecnologias em sala de aula. Segundo seu relato, quando a escola anunciou que o material didático físico seria substituído, não houve nenhuma preocupação. “Foi totalmente positivo por conta entendermos que a tecnologia ajudaria no estudo dela. Não tivemos nenhuma ressalva por causa de todas as facilidades que a internet proporciona: a pesquisa na internet e acesso ao material onde ela estiver”, revela o pai.

Já para a estudante, houve, sim, alguma inquietação, mas que foi dissipada no momento em que ela e os colegas começaram a pesquisar sobre a plataforma em seus celulares. Giovanna conta que no momento em que a escola anunciou que adotaria o Geekie One, ela chegou a pensar se daria mesmo certo estudar com o chromebook, um notebook pequeno indicado para uso com a plataforma da Geekie. Enquanto verificavam as informações sobre o aplicativo e a empresa, veio a constatação: “A gente viu que estávamos fazendo justamente o que seria colocado na escola”, relembra a estudante se referindo à tecnologia que permitiria unir as facilidades do mundo digital ao processo de aprendizagem.

“Agora eu não me vejo mais estudando sem o chromebook: é muito mais fácil e prático. Está tudo ali na minha mão. Se o professor fala alguma palavra que eu não sei o significado, eu já faço a pesquisa na internet e entendo o que é e anoto”, revela Giovanna.

A mãe da estudante, Suzana Bonifazio, complementa: “Antes da Geekie a Giovanna ficava estudando pela internet, buscando ajuda para complementar as aulas. Com a Geekie e o estudo híbrido ficou muito melhor.”

Leia mais: Cláudio Sassaki na Trip: Gerações de distraídos

Aliando dois mundos

A adoção de uma plataforma digital não significa que a escola e os estudantes vão abandonar meios físicos como o caderno. Ao contrário do que se pensa, a tecnologia potencializa a aprendizagem ao trazer as facilidades rápidas e práticas que Giovanna relatou. A questão, contudo, depende da intencionalidade pedagógica. Independente da plataforma, se o professor ou professora não tiver um objetivo bem estruturado para sua aula, alunos e alunas continuarão em uma postura passiva sem construir um conhecimento significativo para a vida.

Leandro Carabet, gerente de produto da Geekie, relembra que há algum tempo era comum algumas placas nas salas de aula indicando que os celulares deveriam ser desligados ou eram proibidos. “Como assim, desligar? É preciso haver um processo de conscientização para fazer um bom uso da tecnologia. É preciso deixar o discurso de evitar para não ter o medo de ser escravizado pela tecnologia, mas sim usar ela a nosso favor”, explica.

Essa consciência já foi incorporada pelo pai da Giovanna. Christiano enxerga a tecnologia como uma aliada: “Eu sei que a Giovanna usa a tecnologia para o estudo: ela sempre buscou videoaulas no YouTube e buscar mais conhecimento, então, eu vejo que ela vem mesmo para somar os estudos”.

Apesar de ressaltar sua empolgação com o Geekie One e o chromebook, Giovanna diz que une as plataformas às anotações no caderno e até em cartazes na parte para reforçar seus estudos. “Algumas matérias específicas eu estudo no chromebook, pego os comentários dos professores, jogo em um documento do Google e imprimo para estudar. Mas algumas matérias eu sinto a necessidade de parar um pouquinho para escrever, principalmente quando estou com muitas dúvidas. Eu faço fichas para matemática, por exemplo, sobre como faz a conta e outros modelos de conta.”

Além de se concentrar em seus próprios estudos, a estudante também usa a tecnologia para compartilhar o que aprendeu. Em seu perfil do instagram, @GigiRumoaMedicina, Giovanna publica fotos e vídeos relatando tanto sua experiência com o Geekie One, como também para dar dicas de estudos e mostrar seus fichamentos e anotações.

Giovanna, Christiano e Leandro relataram suas experiências e conhecimentos sobre o uso de meios físicos e digitais no bate-papo on-line da Geekie. O tema do encontro foi “Transição para o digital: adequação do ensino para os estudantes do século XXI” e aconteceu no dia 20 de março. Você pode assistir à conversa aqui:

Você também pode acompanhar outros assuntos que já foram temas de bate-papos, aqui na Geekie:

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami