Portfólio digital: uma oportunidade para construção de pegadas digitais

Em pesquisa na internet, o termo “pegadas digitais” traz inúmeros resultados. Para a educação, essas pegadas podem se transformar em processo de aprendizagem ao elencar, em um portfólio, o desenvolvimento do conhecimento e de competências dos estudantes

Ao fazer uma busca rápida no Google pela expressão pegadas digitais, é possível perceber que os resultados estão bastante relacionados à segurança, à atenção e ao cuidado. Relacionam-se, em muitos casos, à reputação de uma pessoa ou de uma empresa na internet e à necessidade de se ter cuidado redobrado com postagens e manifestações de opinião na rede, que podem ficar disponíveis de forma permanente.  

Logo nos títulos dos links de resultado da busca, é possível perceber expressões como “você cuida da sua pegada digital?”, “todo cuidado é pouco”, “quem é você na internet?” e outras relacionadas. Navegando um pouco mais pelas páginas que disponibilizam informações sobre pegadas ou rastros digitais, a mensagem principal é de precaução. É preciso precaver-se hoje, para evitar uma exposição indevida amanhã. É quase um chamado para medirmos nossas palavras e ações na internet constantemente, pois o resultado futuro pode ser negativo.

Mas as perguntas que me vêm à mente quando leio essas páginas é: pegadas digitais seriam só isso mesmo? Somente uma visão negativa e precavida de ações diárias?

Pegadas digitais: um processo de construção

Para além da noção de que cuidar de suas pegadas digitais é apenas ter atenção às próprias ações na rede, deve-se compreender a ideia de que nossas pegadas digitais podem, e devem, ser fruto de uma construção contínua do “eu digital” que se expande para além da rede. Até mesmo porque, o que é feito na rede tende a ficar exposto de forma permanente.

E, nessa linha de construção, as pegadas digitais deixam de ser “rastros” para se tornarem passos firmes e conscientes, em que cada pessoa faz uso da rede para contar a sua história, seu processo de desenvolvimento, suas conquistas, seus aprendizados e expor suas criações ou produções.  

Uma “cartilha de boas práticas e segurança para se expor na rede” pode ser interessante como ponto de partida para quem, talvez, ainda não tenha tão internalizada a ideia da permanência da rede, mas em um segundo momento, o mais importante mesmo é saber fazer desse meio um espaço de geração de oportunidades.

Pegadas Digitais: da sala de aula para o mundo

Em educação, muitas são as oportunidades que podem ser criadas quando o tema relaciona-se às pegadas digitais. Pode-se trabalhar desde o desenvolvimento do autoconhecimento, para que cada um ou uma tenha consciência do quanto suas ações na rede podem impactar a própria vida e a vida de outras pessoas, até à criação de portfólios digitais de aprendizagem.

Portfólios podem ser bastante instrucionais. Por meio deles, um(a) estudante pode acompanhar sua evolução, compartilhar aprendizados e, ao mesmo tempo, serve como portfólio, para escola, familiares e futuros avaliadores(as) de processos de admissão escolar ou de emprego, de habilidades e competências que dificilmente transparecem  em currículos ou entrevistas.

Dessa maneira, viabilizar meios para que os(as) estudantes compartilhem, de forma segura e consciente o seu processo de aprendizagem gera, ao termo pegadas digitais, uma visão menos negativa, mais construtiva e naturalmente positiva, uma vez que não se vê unicamente focada em riscos ou em orientações vindas de um manual de boas práticas. As boas práticas emanam de forma natural, a partir do uso e percepção diária das ferramentas disponíveis.

Em uma pesquisa mais aprofundada, é possível encontrar diversos  recursos capazes de potencializar o compartilhamento do processo de aprendizagem que ocorre na sala de aula e, para isso, a criatividade não tem limites.

Mas, o mais importante disso tudo, é o que a criação de um portfólio de aprendizagem pode gerar nos(nas) estudantes: a confiança. Tornando visível um processo que antes parecia invisível, é possível que cada estudante veja seu progresso, suas novas realizações e, acima disso, tenha confiança de que o processo de desenvolvimento pessoal passa por erros, acertos e uma mentalidade constante de crescimento. Até mesmo o mais difícil dos objetivos pode ser alcançado com perseverança.

Adiante, alguns exemplos de casos reais e de ferramentas que podem ajudar nesse processo:

  • Na escola Cantiague Elementary School, no estado de Nova Iorque, nos Estados Unidos, o Coordenador Tony Sinanis iniciou, em 2013, um projeto com estudantes no qual ele gravava, semanalmente, um vídeo com as atualizações do que vinha sendo aprendido por cada turma, disponibilizando-o no Youtube. O link para ver um exemplo desses vídeos, pode ser acessado aqui.
  • A educadora Kathy Kassidy, também dos Estados Unidos, integra, desde 2005, várias tecnologias em suas práticas diárias e faz o registro desses aprendizados, a fim de que seus(suas) estudantes se tornem aprendizes globais. Um pouco de seu trabalho e até o livro “Connected from the Start: Global Learning in the Primary Grades”, em que ela compartilha aprendizados de como manter suas turmas conectadas desde o começo, podem ser vistos neste link.
  • Ferramentas como blogs das escolas também podem ser fortes aliados neste momento. Ao criar uma conta própria no WordPress, por exemplo, a escola pode tanto manter os registros dos aprendizados de suas turmas como, também, pode garantir que cada estudante possa extrair o seu próprio conteúdo quando eventualmente mudar de escola ou se formar, para que tenha sempre o registro de sua aprendizagem.
  • Além do WordPress, outros recursos como o Google Sites, Edublogs e até mesmo uma página no Youtube podem se importantes ferramentes no incentivo da criação desse portfólio de aprendizagem.

E você? Já pensou como seus alunos e alunas podem tornar o processo de aprendizagem visível? Compartilha com a gente =)

*Carolina Brant é Designer Pedagógica da Geekie, bacharel em Direito com LL.M. em Direito Empresarial e está cursando o programa de certificação em Social-Emotional Learning and Character Development pela Rutgers School of Arts and Science em parceria com College of Saint Elizabeth. Tem experiência com Direito da Tecnologia, apaixonada por educação, encontrou seu caminho contribuindo para o time de Educação Digital da Geekie.

Leia outros artigos de Carolina Brant:

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami