Neurociência e aprendizagem: além dos 5 sentidos

Qual sentido usamos ao sentir dor de cabeça? Difícil responder? A pedagoga e especialista em neurociência Kátia Chedid discute os 5 sentidos na educação – e explica que, ao estudar neurociência e aprendizagem, é possível identificar muitas outras modalidades sensoriais pouco exploradas na escola. Entenda:

Neurociência e aprendizagem: Aristóteles disse que “nada está no intelecto sem antes ter passado pelos sentidos”. Divergindo de Platão, ele afirmou que nossos pensamentos não surgem do contato de nossa alma com o mundo das ideias, mas da experiência sensível. Aristóteles enumerou cinco sentidos que, segundo ele, eram responsáveis por toda codificação sensorial. Esses sentidos são aqueles que apresentamos até hoje nas escolas: visão, audição, tato, olfato e paladar.

Descartes, por sua vez, afirmou sobre o tato o seguinte: que um cordão levava ao cérebro o estimulo sensorial aplicado à pele e, assim, fazia com que ela se estirasse. Em parte, sua teoria estava correta.

Sabemos que recebemos informações do meio ambiente por meio de sensações táteis, auditivas, visuais e químicas (gustativas e olfatórias), mas a neurociência e os livros de neuroanatomia nos informam que existem muitas outras modalidades sensoriais, além das cinco que aprendemos e ensinamos aos nossos alunos. Em sala de aula, precisamos trabalhar essas outras modalidades sensoriais e ensiná-las aos nossos alunos para que produzam autoconhecimento e aprendizagens.

Como escrevi em minha coluna anterior, a aprendizagem é a informação que fica na memória de longa duração, podendo ser resgatada sempre que precisamos. As informações do meio ambiente chegam à memória através da percepção desse meio externo e interno. A razão para percebermos esse mundo é a necessidade de agirmos sobre ele. Por exemplo, a dor de cabeça ou de barriga é percebida por nós e gera uma ação. Mas qual sentido, dos cinco que conhecemos, utilizamos para perceber a dor? Nenhum deles!

A dor é uma das modalidades sensoriais que temos e é importantíssima para a sobrevivência e proteção do ser humano. Durante a maior parte de nossa existência, não temos consciência das informações provenientes de nosso corpo. Aliás, nem todas elas produzem percepção! Além da dor, temos outras modalidades sensoriais como a termossensibilidade, a pressão, o equilíbrio, a vibração, a cócega, a coceira e a propriocepção.

Ebook: Por que os educadores precisam ir além do data show

Neurociência e aprendizagem em todos os níveis de ensino

Na Educação Infantil e séries iniciais, todas as modalidades sensoriais podem ser utilizadas com mais frequência e devem ser ensinadas para que o aluno atinja um nível de autoconhecimento necessário para aquisição de sua autonomia e uma melhor aprendizagem.

Conversar sobre propriocepção, ensinando os pequenos a perceber seu corpo e orientar-se é fundamental. Propriocepção é a capacidade de perceber onde está cada parte do corpo, os movimentos dos membros e do corpo em geral, mesmo de olhos fechados!  Fazer com que os pequenos toquem com o dedo na ponta do nariz de olhos fechados, por exemplo, faz com que várias partes do corpo estejam coordenadas para o movimento que se está tentando fazer. Quando trabalhamos o equilíbrio estamos trabalhando a propriocepção.

Perceber a temperatura do ambiente e organizar o nosso comportamento de modo a adaptar-se faz parte da sensibilidade térmica. Perceber se o alimento está quente ou frio também faz parte dessa modalidade. As crianças precisam aprender o que acontece quando o corpo sente frio – por exemplo, se não nos agasalhamos, trememos ou nos movimentamos para gerar calor muscular e ficamos pálidos por conta de uma vasoconstrição cutânea. Já no calor, diminuímos a movimentação corporal, suamos e ficamos vermelhos para perder calor da pele.  Essa percepção precisa ser ensinada e trabalhada.

Neurociência e aprendizagem na rotina da sala de aula

Um ambiente de aprendizagem rico em estímulos aguça os sentidos. O educador deve procurar formas variadas de ensinar o mesmo conteúdo, fazendo com que várias áreas do cérebro trabalhem ao mesmo tempo. Dessa forma, será capaz de atingir aprendizes visuais, auditivos e cinestésicos, que têm preferência por um determinado tipo de aprendizagem. Alguns gostam de ler em voz alta, outros preferem ler ou desenhar para estudar, uns usam mapas mentais com facilidade e outros ainda preferem a “mão na massa” – os que aprendem melhor através de experiências.

Infográfico: Estações de aprendizagem na prática

Em sala de aula, entretanto, as estratégias utilizadas pelos professores ativam, com maior frequência, a visão e a audição. Com certeza, a visão e a audição contribuem para aprendizagem em uma medida muito maior do que as outras modalidades sensoriais. Dificilmente o professor pensa em uma estratégia que utilize o olfato; mas imagine, por exemplo, que o professor colocasse uma essência de café na sala de aula ao falar do ciclo do café? Ou convidasse os alunos a beber um caldo de cana-de-açúcar durante a apresentação do ciclo da cana-de-açúcar? Esse estímulo sensorial pode auxiliar na retenção da informação, já que, além da audição e visão, outro sentido seria estimulado.

Neurociência e aprendizagem: principais ensinamentos

  1. De acordo com a neurociência e aprendizagem, devemos lembrar que estudantes possuem diferentes preferências sensoriais e se comportam de maneira distinta durante a aprendizagem.
  2. É um erro interpretar como falta de atenção e indisciplina as necessidades individuais de cada aluno. Em uma sala de aula média, 19% dos alunos são aprendizes auditivos, 46% são visuais e 35% são cinestésicos. É muito provável que aprendizes cinestésicos não consigam prestar atenção em aulas expositivas.
  3. O professor tem a tendência a ensinar do modo como melhor aprende. Um professor que aprende bem ouvindo, irá preferir essa modalidade para ensinar. Os estudantes que tem a mesma facilidade serão privilegiados com a aula desse professor, mas é possível que aqueles aprendizes que utilizam outras modalidades sensoriais tenham dificuldade em permanecer concentrados.
  4. Os professores devem pensar em estratégias que não privilegiem apenas um tipo de aprendizagem e modalidade sensorial, mas sim combinem várias modalidades sensoriais através de estratégias diversificadas.
  5. O professor pode utilizar muitas estratégias lúdicas em sala de aula, mudar de ambiente, utilizar humor, imagens, música e várias outras formas de aguçar os sentidos. Para isso, o planejamento de suas aulas é essencial. Não dá para abrir o livro e perguntar: “onde eu parei?”, achando que os alunos estão aprendendo assim.

* Kátia Chedid educadora e psicopedagoga, além de já ter trabalhado como coordenadora pedagógica e orientadora educacional – no total, Kátia conta com mais de 30 anos de experiência na área. Tem extensão em Neuropsicologia e especialização em Neurociência. Ministrou cursos e palestras como “Contribuições da neurociência para a prática na sala de aula” e “Educação e Neurociência” e tem artigos publicados em seu site, katiachedid.com.br.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami