“Contrato Didático”: clareza nos critérios e objetivos das avaliações é fundamental

Avaliações pautadas em critérios, expectativas e objetivos de aprendizagem claros e bem informados para toda a comunidade escolar. Esta é uma das formas de substituir a postura reativa de educadores por uma função orientadora do desenvolvimento dos estudantes. Confira a importância dessa mudança no artigo de estreia de Glauci Oliveira, designer pedagógica da Geekie.

Ao longo dos anos, quando falamos do contexto educacional brasileiro, o termo avaliação está quase que intrinsecamente associado às ideias de quantificação, hierarquização e classificação, fazendo com que haja, ainda que implícita, uma relação de poder entre as interações educadores-educandos. Em geral, esse contexto de assimetria expõem-se quando tarefas só são valorizadas quando “valem nota”, ou até mesmo, quando o sistema de pontuação é utilizado para controlar o comportamento dos/das estudantes.

Assim, nesse sistema tradicional de ensino o termo avaliação possui sentidos que variam entre poder e controle, ansiedade, desconforto, frustração e impotência. Nesse contexto, a atividade avaliativa possui a função de disciplinadora de comportamento, estando descrita apenas nas provas e boletins.

Em termos de tomada de decisões pedagógicas, esse tipo de avaliação classificatória permite apenas que docentes qualifiquem a aprendizagem com base em uma nota ou conceito ao final de um longo processo de ensino. As decisões pedagógicas, nesse cenário, são sempre reativas, colocando professoras e professores na posição de bombeiros: após cada atividade avaliativa, só lhes restam apagar incêndios. Esse cenário caótico, de pouca visibilidade em termos de desempenho acadêmico e com várias tensões nas interações entre docentes e estudantes, ainda representa o cotidiano da maioria das escolas de hoje.

Novos olhares para a avaliação pedagógica

Há anos tem-se discutido sobre a necessidade de lançarmos novos olhares para o momento de avaliação. Olhares que agreguem novas ferramentas e permitam a tomada de decisões pedagógicas mais conscientes e proativas. A didática francesa de Brousseau (2008) e Perrenoud (1999) trazem, desde o final do século passado, fortes argumentos sobre as relações existentes entre docentes e estudantes e como precisamos estudá-las e compreendê-las, principalmente no momento de atividades avaliativas.

Esses autores baseiam-se numa tríade indissociável aos processos de ensino e aprendizagem formada por docente-educando-saber. Para eles, as relações entre os componentes dessa tríade acontecem com base na premissa de que estudantes e docentes possuem papéis e obrigações específicas: aos primeiros cabe o aprender, e aos segundos o ensinar.

Apesar de parecer simples e óbvio, quando olhamos para essas relações entre educadores e estudantes percebemos vários elementos que interferem na qualidade dessas interações, dentre eles a avaliação. E é sobre a influência desse elemento que vamos centrar nossa atenção.

A avaliação costuma servir como documento evidencial do saber. Isso significa dizer que como prática em sala de aula, a atividade avaliativa tem um grande valor não apenas para docentes, mas também para os demais agentes da comunidade escolar, incluindo as famílias. Então, o que podemos fazer como educadores, para que esse impacto tenha um feito mais construtivo?

Enxergar as múltiplas inteligências

Primeiramente e fundamentalmente, precisamos ver nossos/nossas estudantes como seres humanos compostos por múltiplas inteligências (GARDNER, 1995) e de experiências prévias variadas, que os/as definem e ajudam a construir seus processos de desenvolvimento. Em outras palavras, o que precisamos é de uma mudança de mindset.

O domínio da sala de aula não está no poder de avaliar os/as estudantes, mas sim de orientá-los e orientá-las em seus processos de desenvolvimento tanto acadêmico quanto social e pessoal. Essa mudança de pensamento é fundamental e sem ela nenhuma ferramenta ou metodologia de avaliação será realmente eficaz.

A importância do “Contrato Didático”

Uma vez construída essa visão empática dos nossos educandos como sujeitos em desenvolvimento, por isso passíveis de erros, começaremos também a valorizar esse processo de desenvolvimento, incluindo seus erros. E o que fazer para amenizar as ansiedades de tal processo?

Perrenoud defende fortemente que haja clareza no “Contrato Didático”. Esse contrato nada mais é do que o conjunto de regras existente, muitas vezes implicitamente, que permeiam as interações de docentes-educandos-saberes. Em termos de avaliação, é fundamental que as regras/critérios, bem como os objetivos da atividade avaliativa sejam claros para todos os agentes, docentes e estudantes.

A tomada de consciência sobre o que se espera ao final do processo de aprendizagem é uma forma de começarmos a construir a autonomia e a autocrítica nos nossos educandos. Além disso, ajuda a harmonizar as interações entre educadores e estudantes – sem desvalorizar o processo de avaliação.

Obras citadas e dicas de leitura:

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Paris: ESF, 1999.
BROUSSEAU, G. Introdução ao estudo da teoria das situações didáticas. São Paulo: Ática. 2008.
GARDNER, Howard. Inteligências múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

*Glauci Oliveira é licenciada em Ciências Biológicas pela UFRPE e Macquarie University, mestranda em Educação pela Faculdade de Educação da USP (FEUSP), dentro da área de Letramento Científico, Matemático e Tecnológico, sob orientação do Professor Agnaldo Arroio. É integrante do projeto Desenvolvimento Educacional de Multimídias Sustentáveis (DEMULTS), que tem como principal objetivo estimular o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no âmbito escolar, por meio de metodologia participativas. Na Geekie atua como designer pedagógica do Geekie One.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Bitnami